21/03/2019

Analítico embarcado ou via software? Conheça as vantagens de cada um

analíticos

A análise automatizada de imagens em tempo real é uma grande conquista que a tecnologia trouxe para o trabalho na área da segurança. Você já deve ter ouvido falar em vídeo analítico, mas sabe como ele funciona? Esse recurso pode ser obtido em softwares de monitoramento analítico e também em tecnologias que já estão nas câmeras, o analítico embarcado.
Neste material vamos falar um pouco sobre as aplicações do analítico de vídeo e como extrair excelentes resultados dele. Leia e saiba como ter mais agilidade, reduzir consumo de internet e outros benefícios de uma boa aplicação do analítico de vídeo.

O que é Vídeo Analítico e como ele funciona

O Vídeo Analítico é capaz de detectar movimento, reconhecer padrões suspeitos, rostos, placas e muitas outras ações, sem a necessidade de monitoramento humano. Você pode ver alguns exemplos de aplicação de analíticos neste vídeo. No cenário da maioria das centrais e projetos de monitoramento, este recurso é fundamental para melhorar resultados. Afinal, com a redução dos custos para se ter câmeras em todo o tipo de estrutura, diariamente são gerados grandes volumes de imagens, e seria impensável analisar tudo isso manualmente.

Além da redução de custos com equipe, entre os principais benefícios dos analíticos de vídeo está a redução das falhas humanas, já que é comprovado que depois de 40 minutos na frente de um sistema de monitoramento, o operador tem uma redução significativa da capacidade de atenção, aumentando em 75% a chance de que algo importante passe despercebido.

Seja por meio de softwares especializados, ou em tecnologia embarcada nas câmeras, a análise permite traçar linhas virtuais no perímetro monitorado, acompanhar a remoção ou adição de objetos na área vigiada ou ainda detectar comportamento suspeito de pessoas. Tudo de forma automatizada, otimizando o trabalho dos profissionais de segurança.

Recursos mais usados de Analítico de vídeo

Barreira e cerca virtual: este recurso é ideal para monitorar uma área específica. O recurso permite fazer marcações em áreas determinadas, por exemplo na entrada de uma sala ou sobre um muro. Assim, se for detectado que alguém ultrapassou essa linha, uma ação como um disparo de alarme pode ser efetuada;

Contagem de objetos e pessoas: Este recurso funciona como uma catraca invisível, identificando quantas pessoas passaram por determinado local com auxílio da câmera;

Controle de velocidade: Neste caso, é possível monitorar a velocidade com que veículos e pessoas de deslocam na área monitorada, fiscalizando o respeito a limites pré-determinados e trazendo mais segurança;

Objeto abandonado ou retirado: A identificação da retirada ou abandono de objeto indesejado em determinado ambiente monitorado pode ser configurada para enviar um alerta ao operador, que poderá tomar alguma ação. Um exemplo da aplicação do recurso é em aeroportos, quando no caso do abandono de uma mochila suspeita, o esquadrão anti-bomba é acionado o mais rápido possível (Veja como é fácil configurar este recurso no D-Guard clicando aqui);

Loitering/Perambulação: Este recurso é usado para identificar comportamentos suspeitos de pessoas, quando há alguém circulando por muito tempo em local próximo a uma entrada ou área vulnerável;

LPR – Leitura de placas de veículos: Além da segurança de monitorar placas de veículos que entram e saem de determinado local, o LPR também pode ser configurado para abertura e fechamento de cancelas, por exemplo;

Reconhecimento facial: O recurso de reconhecimento facial pode facilitar o controle de acesso usando a biometria para identificar visitantes e automatizar liberação de entrada ou outras ações vinculadas.

Tecnologia Analítica embarcada em câmeras

Com a evolução da tecnologia e redução nos custos, as câmeras inteligentes estão cada vez mais acessíveis. Elas já possuem algoritmos integrados, permitindo desencadear eventos como gravação, envio de alertas e outras ações configuráveis. Apesar de ter custo mais alto em comparação com câmeras mais simples, este equipamento oferece algumas vantagens que podem equilibrar o investimento. É que este tipo câmera elimina a necessidade de ter servidores de processamento dedicados, minimizando a probabilidade de falhas e reduzindo os custos do sistema de vigilância, por não necessitar de licenças de analítico via software. Na Seventh, a utilização dos recursos embarcados nesses dispositivos não é cobrada (No caso do D-Guard, basta conferir em nossa página de dispositivos integrados quais equipamentos oferecem Analítico Remoto).

Recursos como cerca ou barreira virtual, reconhecimento de placas (LPR), registro de objeto deixado ou abandonado, são alguns exemplos de recursos já presentes nas câmeras que podem ser integrados a softwares de videomonitoramento para análise e disparo de ações automatizadas.

É claro que antes de definir a aplicação de determinado tipo de equipamento, o cenário deve ser estudado pelo integrador ou projetista. Mas é cada vez mais comum encontrar projetos em que o uso de uma câmera IP com analíticos de movimento, invasão de perímetro ou objeto deixado, por exemplo, atende uma parte significativa das necessidades de monitoramento de um projeto de segurança.

Também é importante ressaltar que o uso do analítico embarcado não elimina a importância de um bom software de videomonitoramento. A ampla possibilidade de configuração de um sistema é uma aliada à tecnologia das câmeras, o que ajuda a torná-los ferramentas proativas, capazes de responder automaticamente conforme o comportamento identificado, podendo enviar alertas, executar ações ou até acionar outros sistemas. Dessa forma, o trabalho do vigilante ou do profissional que gerencia os equipamentos de monitoramento fica mais ágil e qualificado.

Softwares de monitoramento analítico

A principal diferença entre o uso do analítico embarcado ou diretamente via software é a origem das informações que serão tratadas posteriormente pelo sistema utilizado no monitoramento. Enquanto em um caso as câmeras enviam os dados de análise para o sistema, no outro, os computadores recebem as imagens e fazem a análise para identificar automaticamente eventos pré-determinados que apareçam no vídeo. Em ambos os casos, baseado em parâmetros pré-definidos, regras, o sistema é “ensinado” a reagir de uma determinada forma em uma situação específica.
Apesar de consumir mais recursos, a análise via software aceita qualquer câmera, mesmo modelos mais antigos (desde que atenda aos requisitos de frames e resolução), além de ter maior capacidade de processamento e mais recursos analíticos simultâneos.

Como identificar o Analítico Ideal?

Agora que você já conhece as vantagens do analítico de vídeo, é hora de reduzir custos e otimizar a operação com tecnologia avançada. Como já mencionamos, cada estrutura de segurança tem objetivos e equipamentos específicos. Então é importante avaliar as necessidades, características de trabalho e infraestrutura de internet e câmeras para identificar o melhor analítico de vídeo.

Afinal, em uma estrutura toda montada, na qual a maior parte das câmeras é mais antiga e não possui recursos de analítico embarcado, pode ser mais vantajoso investir em licenças de analítico via software, em vez de trocar grande parte dos equipamentos. Da mesma forma que, para um projeto recém iniciado, a aquisição de câmeras que já possuam a tecnologia embarcada pode diminuir custos com servidores, por exemplo.

Cada situação é única e o apoio de um integrador ou consultor especializado pode tornar a decisão muito mais fácil e vantajosa para o negócio. Ficou com alguma dúvida? Entre em contato com um de nossos especialistas: Centrais de Monitoramento | Projetos de Monitoramento e descubra qual a solução mais indicada para o seu negócio!